Querida Coach,

Está na moda agora produzir conteúdos online para ter mais alcance e escalabilidade nas vendas e eu fui entrar nessa onda também. Acontece que, como você bem sabe, eu sou MUITO tímido e tenho várias crenças limitantes em relação à venda.

Eu não sei o que acontece, mas parece que eu estou sendo impertinente, chateando a pessoa, sendo chato e insuportável. Mas como faço para alavancar meu negócio com esse tanto de âncora negativa me prendendo?

Assisti uma entrevista do Flávio Augusto com o Seiiti Arata onde ele conta como começou e fiquei impressionado da cara de pau que ele tinha pra sair por aí vendendo e importunando as pessoas com o serviço dele (que na época eram os cursos de inglês). E pior! Ele nem falava inglês! Como que uma pessoa que é dono de uma escola de inglês, está vendendo um curso de inglês, não fala inglês? Que loucura!

Mas sabe, eu sei que isso é importante. E o que mais me motiva é a possibilidade de no futuro eu poder inspirar alguém a transformar sua vida. Hoje eu falo do Flávio, amanhã quem falará de mim?

Assisti nesse final de semana uma entrevista da Anitta que você tinha sugerido no seu Instagram e fiquei impressionado com a desenvoltura da menina. Ela é extremamente criticada pela forma como se veste e o fato de ter aquela personalidade bem posicionada dela. Só que caramba, eu queria ter 10% da força de alavancagem que ela tem! Ela é tipo uma mini Flávia Augusta que saiu da favela para uma carreira internacional em apenas quatro anos!

Claro que nada disso é coincidência e nas entrevistas dela, conta detalhadamente como é o dia a dia dela. Até hoje, mesmo depois de todas as conquistas, ela dá 20 shows por mês com o cachê 80% menor que do Wesley Safadão, por exemplo, justamente pela visão de futuro que ela tem e a velocidade que ela quer expandir no mercado.

Eu aqui chorando minhas pitangas porque minha empresa só está dando 15% de lucro e ela se sacrificando inteira pra ter o renome que ela tem. Aí é fácil né? Eu quero ter o impacto, nome e alavancagem que ela tem sem fazer um terço do que ela faz. Acho que é isso que todo mundo quer não é mesmo? Fazer nada e ganhar muito.

Ela estava contando sobre como foi que aprendeu a falar espanhol e eu fiquei surpreso! No intervalo de apresentação de um programa no Multishow ela corria no camarim para ter algumas aulas, voltava para apresentar e corria de volta para o camarim.

E eu aqui reclamando porque não tenho tempo de ir para academia, sendo que eu poderia muito bem ir das 21h às 22h porque nessa hora eu geralmente estou assistindo Netflix no sofá.

Me fala, coach, quanto de fato a gente não se sabota?

Eu sei que empresário tende a ser um pouco mais diferente porque ele é a pessoa que emprega as outras, ele tende a ser a pessoa mais produtiva da empresa e tal, mas… Acho que no fundo no fundo dorme um funcionário preguiçoso dentro de cada um de nós. Tudo que a gente reclama que nossos funcionários fazem, a gente faz também de uma forma ou de outra. Até porque reza a lenda que a gente só consegue ver no outro o que já temos dentro de nós, concorda?

Um grande abraço,

I.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Salvar e compartilhar carrinho
Seu carrinho de compras será salvo e você receberá um link. Você ou qualquer pessoa com o link pode usá-lo para recuperar seu carrinho a qualquer momento.
Voltar Salvar e compartilhar carrinho
Seu carrinho de compras será salvo com fotos e informações do produto e Totais do carrinho. Em seguida, envie para você mesmo ou para um amigo com um link para recuperá-lo a qualquer momento.
Seu e-mail do carrinho enviado com sucesso :)

Join Our Newsletter!
Sign up today for free and be the first to get notified on new tutorials and snippets.
Subscribe Now
Join Our Newsletter